quarta-feira, 26 de março de 2014

Descoberta nova espécie de Coruja (extinta) na Madeira

Um grupo de cientistas descreveram um novo tipo de coruja, o primeiro pássaro extinto no arquipélago da Madeira (Portugal). Otus mauli, que também foi a primeira ave de rapina noturna descrita na área, viveu  e extinguiu-se devido à exploração da ilha pelos humanos. À 20 anos atrás, o pesquisador alemão Harald Pieper descobriu restos fósseis de uma pequena ave de rapina noturna na Madeira, que, até agora, não tinha sido estudada em profundidade. Uma equipa internacional de paleontólogos tem demonstrado que os restos pertencem a uma espécie previamente desconhecida extinta de coruja scops, que eles chamaram Otus mauli.

Credit: Pau Oliver

 Segundo o artigo da Sience Daily "Ela tem pernas longas e asas ligeiramente mais curtas do que a coruja scops europeia continental da qual deriva" Josep Antoni Alcover, um dos autores do estudo e pesquisador do Instituto Mediterrâneo de Estudos Avançados (IMEDEA), um centro misto de universidade das Ilhas Baleares e do Conselho Nacional de Pesquisa espanhol (CSIC ), disse que o resultado da análise do fóssil  encontrado, que foi publicada na revista Zootaxa, revela que Otus mauli que esta espécie comia invertebrados e "ocasionalmente lagartos ou pássaros."
"É provável que a sua extinção está ligada à chegada dos seres humanos e da fauna que trouxeram com eles", explica Alcover. Ele também aponta que o seu desaparecimento fazia parte de um padrão de extinção de espécies da ilha, o que ocorreu em praticamente todas as ilhas do mundo.
Segundo os pesquisadores, entre as causas de extinção desta coruja scops, está a destruição de seu habitat e como a Madeira tinha um muitos de incêndios graves durante os primeiros sete anos que se seguiram à chegada do povo Português. Além disso, os seres humanos trouxeram novas aves introduzindo assim doenças que eram desconhecidas para as espécies nativas, bem como ratos, que atacam ovos de animais que tiveram ninhos próximos ao solo, tal como se pensa que esta espécie fazia.

Espécie exclusiva da Madeira?

O mesmo ou uma espécie semelhante foi investigada em Porto Santo, outra ilha do arquipélago da Madeira. "Isso é extremamente interessante" diz o pesquisador, "mas é difícil de avaliar, porque os materiais encontrados são limitados e fragmentados."
"Se as corujas scops da Madeira e Porto Santo eram espécies diferentes, isso significaria que a habilidade de voar da Otus ' é muito mais limitada do que scops continentais corujas. A distância entre as duas ilhas seria suficiente para isolá-los" Alcover ressalta.
A homogeneidade das medições dos corujas scops nas duas ilhas, bem como as diferenças em comparação com as corujas Europeias sugere que eles foram geneticamente isoladas das populações Europeias. A distância entre o continente e a ilha foi suficiente para explicar a diferença entre as espécies.
Nesta ilha eles esperam descobrir novas espécies de aves em um futuro próximo "que irá relatar um mundo que desapareceu apenas algumas centenas de anos atrás." "A mesma coisa vai acontecer nas ilhas de Açores, onde já há provas de que uma coruja scops diferente das da Madeira e Europa, estão também extintas", diz o cientista.

  1. Rando J.C.; Pieper H.; Alcover J.A.; Olson S.L. A new species of extinct fossil Scops owl (Aves: Strigiformes: Strigidae: Otus) from the Archipelago of Madeira (North Atlantic Ocean)Zootaxa, 2012

Cláudio Jardim 20/03/2014

1 comentário:

Deixe a sua opinião critica e construtiva.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Filipe Duarte Santos em entrevista ao Noticias ao Minuto

 Excelente entrevista com muitos esclarecimentos sobre o nosso presente e futuro, desde os incêndios até à agua que usamos nas nossas sanita...